E continuo sem perceber…

Outubro 29, 2009

Há várias coisas no mundo do basquetebol que não consigo entender. Penso que seja normal, só agora estou a começar a entender algumas coisas do jogo. Vejo-o desde que nasci, jogo-o desde os 5 anos, só me divorciei durante duas temporadas, mas não tenho medo de dizer que quase nada sei sobre o jogo pelo qual me apaixonei. Por isso mesmo gosto de me informar, ler e ouvir, para continuar a aprender.

Mas por mais que leia e veja, acho que o Draft da NBA será sempre algo que muito me custará perceber. Esta temporada vi vários jogos da NCAA, acompanhei os trabalhos pré-Draft, até me dei ao trabalho de tentar perceber quais as necessidades de cada equipa. No entanto, a noite do Draft mostrou-se completamente antagónica ao que tinha previsto – e nem sequer estou a falar dos Wolves escolherem Ricky Rubio e Johnny Flynn – com as equipas a fazerem algumas escolhas que considerei ‘estranhas’ tendo em conta as opções existentes.

Duas escolhas deixaram-me mesmo a pensar: ‘Fogo, não pesco mesmo nada disto!’. Não percebi como Ty Lawson, base campeão por North Carolina, foi escolhido na 18ª posição. Ok, a sua altura não abona muito numa liga de gigantes, mas que ele joga muito, disso ninguém tem dúvidas. E sempre houve pequenos jogadores a fazer grandes carreiras…E volto a referir, ele joga mesmo muito, tal como mostrou na passada temporada em que levou a sua Universidade ao almejado título de campeão, culminando com os elogios públicos que o presidente Barack Obama lhe endereçou!

A outra escolha que me surpreendeu foi a Dejuan Blair. O extremo-poste foi escolhido na 7ª posição da 2ª ronda pelos S.A. Spurs! O jogador formado em Pittsburgh foi a 37ª escolha do Draft!!! Mais uma vez compreendo que a sua estatura não é a ideal para a posição em que actua, mas diria que o rapaz até sabe utilizar bem o corpo que tem, e fazer muitos estragos. Os dirigentes da NBA continuam a defender a política de ‘não se ensina um jogador a ganhar cm em altura’, acreditando no potencial de jogadores ‘grandes’ e na sua capacidade de aprendizagem.

Por acaso, não me lembro de muitos casos de sucesso que tenham resultado desta política de observação de talentos no processo de escolha do Draft da NBA. Mas mais uma vez sou obrigado a reconhecer que este é um mundo que ainda desconheço.

Esperei pela estreia oficial na NBA para me pronunciar sobre este tema. Bem que sei que são rookies, e que um jogo não define uma carreira. Pode apenas ter corrido bem, e percebo que corro o risco de este texto ter sido escrito cedo de mais. Mas para culminar, deixo aqui os dados da noite de estreia dos dois jogadores:

Ty Lawson vs Utah Jazz – 17 pontos, 6 assistências e 1 perda de bola em 26:25 minutos de utilização.

Dejuan Blair vs New Orleans Hornetts – 14 pontos e 11 ressaltos em 22:33 minutos de utilização.

Anúncios

Break to Build

Outubro 28, 2009

Mais um excelente anúncio publicitário da Jumpman23, já com a nova contratação, D-Wade.


Comboio descarrila a West

Outubro 27, 2009

Delonte West, base lançador dos Cleveland Cavaliers vive dias complicados. E parece que não quer melhorar…

A ser julgado por posse de armas ilegais, Delonte West tem-se revelado um problema de difícil solução para os responsáveis dos Cavs, que esperam que o jogador resolva os seus problemas e esteja disponível a 100% para exercer a sua profissão.

Como se isto não bastasse, soube-se agora que o jogador está a responder a um processo judicial, sendo acusado de violência doméstica.

A vida não corre bem a Delonte West e os Cavaliers vêem-se assim privados de uma das suas mais importantes peças da temporada passada.


Duas realidades que se afastam

Outubro 26, 2009

No domingo assistia via RTP2 ao jogo de andebol entre Porto e Benfica, disputado no Dragão Caixa. Ao longo da partida facilmente ia fazendo paralelismos com a modalidade que mais me agrada, o basquetebol.

O primeiro de todos, prende-se com a transmissão do ‘Clássico’ em canal público. É uma realidade que já aqui abordámos, mas que nunca será referida em excesso, dada a sua importância. Dois dos maiores clubes desportivos portugueses em confronto, seja em que modalidade for, suscitam sempre maior atenção por parte do público em geral. O jogo de andebol entre Porto e Benfica foi transmitido na RTP2. Quando houver um Porto vs Benfica em basquetebol, se for transmitido, será na SportTv.

Depois, e quando já decorria a segunda parte do jogo, o Prof. Jorge Tormenta referiu algo no qual o Andebol começa a ganhar uma larga distância em relação ao Basquetebol: o número de jovens atletas que competem neste campeonato! Depois da brilhante participação no Campeonato do Mundo de Sub21, muitos dos jovens jogadores ganham o seu espaço nos Clubes a que pertencem, e até os candidatos ao título apostam em alguns jovens. Mas também jovens das selecções Sub19 começam a ter minutos de utilização no campeonato Andebol 1. Esta é uma grande diferença relativamente ao nosso basquetebol, e que também já abordei.

Esta época surgem alguns jogadores de 20 e 21 anos em algumas equipas da LPB, mas os mais novos continuam agarrados a competições de Sub18 e Sub20. Como falava no outro dia com alguns colegas, em Portugal um jogador de 24 anos ainda é uma jovem promessa. Na Europa, aos 24 anos já é um jogador experiente, pois jogam na equipa de seniores do seu Clube desde os 16 ou 17 anos de idade.

Há uns anos, o Andebol sofreu com o fim da Liga Profissional, e com as picardias entre FPA e a Liga de Clubes (onde é que já vimos isto??). Agora parece caminhar para bom porto, com novos valores a aparecerem na modalidade.

Conseguirá o Basquetebol seguir o mesmo trajecto?


Descansa em paz

Outubro 26, 2009

Kevin Widemond faleceu no intervalo do jogo entre a Ovarense Dolce Vita e a Académica. Que descanse em paz!
Neste doloroso momento, enviamos as nossas condolências a toda a família vareira.

Febre Azul

Outubro 21, 2009

“In Kentucky, you can’t love your grandmother more than basketball. And if you did, your grandmother would tell you you’re stupid.” Van Florence.


O Belga e ‘O Monstro’

Outubro 20, 2009

Gregg Popovich disse que Blake Griffin era ‘um monstro’ e que foi a escolha mais do que óbvia para o #1 do Draft de 2009. Num jogo de preparação frente à outra equipa da cidade de Los Angeles, Blake Griffin brindou o belga DJ Mbenga com uma jogada que mostra bem aquilo que Blake Griffin poderá fazer na NBA.