Una clase muy particular

Janeiro 31, 2010

O Asefa Estudiantes, da ACB, decidiu promover o jogo contra o Joventut de forma singular. Estamos a anos luz disto não estamos? Um video simples e sem grande custo.

O jogo foi ontem e acabou com 83-68 a favor dos Estudiantes, para que conste.


FCPorto-Benfica

Janeiro 30, 2010

É o grande clássico do desporto português dos últimos anos. Em qualquer modalidade em que se dispute, e por via das fortes rivalidades, este é o embate que mexe. No Basquetebol já o havia sido nos anos 90, perdeu  depois «temperatura» por causa do percurso dos lisboetas na modalidade e voltou a ganhar intensidade com a força do Benfica dos últimos anos. Vieira vs Moncho ; Andrade, Figueiredo e Marçal vs Sergio Ramos, Elvis Evora e João Santos; Terrell e Stempin vs Heshimu, Frisby e Reed. Cansaço do Porto (vitória suada sobre Vitória) vs jogo exterior do Benfica (mais 13 triplos ontem).

Não é para a Liga, não é para a Taça… mas é FCPorto-Benfica. Às 16h


Regal(o) continua, Partizan protagoniza a surpresa

Janeiro 28, 2010

Grupo E Barcelona 79-69 Maroussi  ; Panathinaikos 59-64 Partizan

Grupo F Real Madrid 77-70 Efes Pilsen ; Montepaschi 76-72 Maccabi

Grupo G CSKA 86-78 Unicaja  ; Asseco Prokom 89-65 Zalgiris

Grupo H Khimki 83-70 Cibona ; Caja Laboral 85-89 Olympiacos

Próxima jornada: Quarta e Quinta da próxima semana, com dois grandes jogos – Partizan-Barcelona e Maccabi-Real Madrid


Arranca amanhã a nova fase da Euroliga masculina

Janeiro 26, 2010

Quem vai ganhar a Euroliga? Alguém irá parar a alternância dos últimos anos entre os gregos do Panathinaikos e os russos do CSKA? As definições começam a ganhar corpo agora.

As melhores 16 equipas europeias começam amanhã a última fase de grupos da Euroliga da edição 2009/10. De 27 Janeiro a 11 Março, quatro grupos de quatro equipas definirão os alinhamentos dos quartos de final – passam as duas primeiras classificadas de cada grupo.

Grupo E – Barcelona, Panathinaikos, Partizan, Maroussi

Claramente favoritos, os catalães não perderam um único jogo na primeira fase, enquanto os gregos do Panathinaikos só perderam com o Real Madrid duas partidas. Para ver o que dá neste grupo, e obviamente a correrem na pista de tartan por fora, estão os sérvios do Partizan, sempre um osso duro de roer, e os surpreendentes gregos do Maroussi, que este ano no seu pavilhão já ganharam ao Maccabi e perderam por um com o CSKA

Grupo F – Real Madrid, Montepaschi Siena, Macabbi Telavive, Efes Pilsen

O Real Madrid impôs-se ao Panathinaikos no seu grupo anterior, mas vacilou em duas deslocações, uma à Rússia e outra à Polónia. É no entanto o grande favorito à passagem, aliás tal como o Montepaschi, que na fase anterior só perdeu com o Barça. O Maccabi Telavive terá uma palavra a dizer, principalmente nos jogos em casa, mas o mesmo não se poderá dizer dos turcos do Efes Pilsen.

Grupo G – CSKA, Zalgiris Kaunas, Unicaja, Asseco Prokom

CSKA e Unicaja partem na pole position e têm no grupo equipas que se qualificaram in extremis com saldos de vitórias abaixo dos 50%. Os russos vêm de sete vitórias consecutivas e os espanhóis de uma campanha irregular,onde ganharam e perderam jogos com Partizan e Olympiacos. Uma palavra para os polacos da Asseco que chegam surpreendentemente a esta fase, depois de inclusivamente terem ganho um jogo ao Real Madrid. Nunca fiando portanto.

Grupo H – Olympiacos, Caja Laboral, Khimki, Cibona Zagreb

Talvez o grupo mais equilibrado com três candidatos e o Cibona a ver o que dá. Mas há candidatos mais candidatos, falamos do Olympiacos, que na fase anterior já perdeu dois jogos fora de portas, mas que deverá carimbar a passagem aos quartos. Caja Laboral de Teletovic e Splitter e o Khimki de Raul Lopez e Langford têm argumentos de peso, e não se podem naturalmente menosprezar.

Todo o calendário aqui


Inquérito por questionário

Janeiro 26, 2010

Ando há algum tempo a pensar em algo que certamente me deixará desapontado: elaborar um inquérito por questionário dirigido aos atletas dos escalões de Sub14 e Sub16 de alguns clubes da região.

Qual o objectivo? Avaliar o conhecimento que os jovens e as jovens praticantes de basquetebol têm das competições seniores em Portugal (LPB e Liga Feminina) e dos jogadores que nelas competem.

Posso estar a ser pessimista, mas não auguro resultados nada animadores.


Adenda a ‘No jogo como na vida’

Janeiro 24, 2010

Serve este texto para completar as palavras do meu colega e amigo. Porque tal como ele, também eu me revejo no lema ‘No jogo como na vida’. Porque quando crescemos sempe foi isso que nos ensinaram. Porque apesar de todo o amor incondicional que o jogo nos transmite, este mais não é do que uma extensão da nossa essência.

E se por alguma ganância desmedida decidimos adulterar o jogo, sobrepondo-o a valores, sobrepondo-o ao respeito pelos outros, estamos pura e simplesmente a degradar algo que aprendemos a amar, algo que sempre nos pareceu belo. Estamos a desrespeitar quem por este jogo se apaixonou, estamos a desrespeitar aqueles que, no desporto como na vida, usam a fibra e os seus valores para andarem de cabeça erguida.

Serve este texto para completar as palavras do meu colega e amigo. Porque tal como ele, também eu não me revejo nos insultos ao desporto que se fizeram sentir este fim-de-semana na Arena Dolce Vita em Ovar. Porque na minha opinião, os grandes derrotados deste fim-de-semana competitivo da Arena Dolce Vita não foram os emblemas que menos jogos venceram. Os grandes derrotados deste fim-de-semana foram o clube de Vagos, seus treinadores e atletas. Aqueles que se afastaram por completo da responsabilidade social e  da missão formativa que o desporto deverá ter junto daqueles e daquelas que enquanto crescem vão moldando a sua personalidade e a sua forma de estar no campo de jogo e na vida.

Porque no fundo, e acabando este texto como o comecei, estamos no jogo como na vida.


No jogo como na vida

Janeiro 24, 2010

«O que separa o mundo da vida que nele corre é a fibra»
Sophia de Mello Breyner

No jogo como na vida, a questão é de fibra. Quem a demonstra tem sempre mais possibilidades de vencer. Quem a põe em prática na defesa e em cada lance, quem a ela recorre numa penetração para o cesto, quem a usa para não quebrar no momento decisivo, quem faz dela uma aliada para controlar emoções ou ler o jogo. Não quer dizer que o sucesso seja função apenas da fibra, mas a fibra conta.

E depois, como somos animais bípedes, e gostamos de andar de espinha direita, usamos a fibra de que somos feitos para andar de cabeça erguida. Alguns não. Mas isso, lá está, é no jogo como na vida.