Perdidos e achados – Lonny Baxter

Novembro 14, 2007

BaxterA vida corria bem a Lonny Baxter: campeão universitário em 2002 pela Universidade de Maryland, principal figura da sua equipa, escolhido pelos Bulls nesse mesmo ano para integrar a equipa de Chicago na NBA. Tudo parecia correr sobre rodas a este possante jogador…

Pura ilusão!

É certo que muitos lhe anteviam grandes dificuldades na NBA devido à sua baixa estatura para um jogador interior e as dificuldades que encontrou foram mais que muitas, nunca se conseguindo impôr no mundo da NBA, tendo sido trocado para os Toronto Raptors, os Washington Wizards e posteriormente para os New Orleans Hornetts. E logo em 2004 tentou a sua sorte na Europa, integrando a equipa do Panathinaikos, mas uma lesão impediu-o de dar o seu contributo à forte equipa grega. Assim, voltou à NBA onde ainda representou os Houston Rockets, New Orleans Hornetts e os Charlotte Bobcats. O seu sucesso foi tanto que ninguém se deve lembrar deste seu regresso à NBA.

Por fim, e talvez por estar farto de ver jogos do banco, decide voltar à Europa. Agora para Italia e para representar a equipa do Siena Montepaschi com a qual se veio a sagrar campeão de Itália na última época. No entanto, Lonny decidiu que algo estava mal e decidiu voltar à ‘sua’ normalidade! Poucos dias antes de partir para Itália, Lonny decicdiu festejar. E qual a melhor forma de o fazer? Usando a sua Glock disparou algumas vezes para o céu de Washington, nas redondezas da Casa Branca. Resultado: condenado a 60 dias de detenção. Depois de cumprir a pena, Lonny ainda foi a tempo de se sagrar campeão pela equipa italiana.

Para a época de 2007-08 Lonny foi contratado pelo DKV Joventut – equipa que tem estado a dar cartas na ACB. Mas, estranho seria se Lonny Baxter integrasse a equipa de Badalona sem qualquer solavanco pelo caminho. E eis que esse solavanco surgiu rapidamente: Baxter foi condenado a cumprir mais 60 dias na prisão por ter encomendado quatro armas e não ter notificado a FedEx do conteúdo da encomenda. Baxter deu-se como culpado e lá cumpriu os 60 dias.

Chegou esta semana à Catalunha, e a pergunta que fica é: durante quanto tempo vai Lonny Baxter manter-se afastado de problemas?

Anúncios

E o pavilhão veio abaixo III….

Novembro 2, 2007

É verdade, também em Portugal um dia foi possivel….


Perdidos e achados – Dajuan Wagner

Outubro 1, 2007

Escolhido pelos Cleveland Cavaliers na sexta posição do Draft de 2002, Dajuan Wagner era a grande esperança da equipa profissioanl de Ohio, já há alguns anos afundada nos últimos lugares da liga, com visibilidade quase nula e a necessitar de um jogador que fosse um ícone e conseguisse mudar a imagem da equipa.

Dajuan WagnerA escolha recaiu sobre Dajuan Wagner, um ‘prodígio’ de New Jersey que conseguiu a proeza de marcar 100 pontos num logo de High School, que obteve a média de 42.5 pontos por jogo no seu último ano de High School e que era regularmente comparado a Allen Iverson, não só pela sua fisionomia mas também pela sua capacidade ofensiva – drible desconcertante, velocidade e espontaniedade, forte a penetrar para o cesto e também a lançar de fora.

Na sua época de Rookie na NBA – 2002/03 – averbou a média de 13.4 pontos por jogo, demonstrando que o futuro dos Cavs podia passar pela forma como Dajuan se apresentasse em campo. No entanto, na época seguinte algumas lesões e graves problemas cardíacos levaram-no a ter de se afastar da competição profissional, tendo inclusive de recorrer a uma operação cirúrgica em 2005.

Em 2006 recomeçou a treinar, em busca de um lugar entre a elite do basquetebol americano, mas nunca mais conseguiu o brilhantismo que se lhe conheceu no seu último ano de High School, do ano na Universidade de Memphis, e no seu ano de Rookie em Cleveland. Chegou a estar ligado contratualmente aos Warrios na época passada, mas apenas realizou um jogo.

Agora, optou por sair do país, tendo sido contratado pela equipa do Prokom Trefl da Polónia que irá disputar a próxima edição da Euroliga. Dajuan tenta assim encontrar um sítio em que possa recuperar os atributos que fizeram dele uma das maiores esperanças do basquetebol norte-americano.

PS – Depois do artigo ‘Mãe-Europa ou a segunda casa para se ser feliz?‘ surgiu o primeiro jogador norte-americano com nome feito na NBA a sugerir que se poderia mudar para o Velho Continente, e foi a Chris Webber que coube essa honra, uma vez que foi abordado pelo Olympiakos da Grécia. Será que C-Webb vai seguir as pisadas de Dominique Wilkins e actuar no campeonato grego? Ou ficará pela NBA em busca do anel que nunca conseguiu?