Lembram-se dele?

Março 18, 2009

Como referido no post anterior, quando começa o Torneio da NCAA, a loucura de Março traz sempre algumas surpresas e as equipas de menor dimensão costumam derrotar as favoritas. É essa uma das principais lições do desporto, e é essa uma das principais emoções do ‘March Madness’.

Em 2005, logo na primeira ronda, Vermont defrontava os Orange de Syracuse que dois anos antes tinham-se sagrado campeões da NCAA, sob o comando da estrela Carmelo Anthony. E no prolongamento, dois triplos seguidos de Vermont deram a vitória à equipa menos favorita, tornando-se a primeira grande surpresa do Torneio nessa época.

Um dos heróis desse jogo foi TJ Sorrentine, com um triplo de longa, longa distância! Idolatrado em Vermont, ficou para a história com aquele longo e decisivo lançamento. Lembram-se dele? Foi um dos bases do Porto Ferpinta no ano de 2007, tendo conduzido a equipa até à Final da Liga UZO.

Ainda jogou na Eslovénia onde se lesionou. Aos 26 anos voltou aos Estados Unidos, e é agora treinador ajdunto na Universidade de Brown.


Ovar em festa

Maio 25, 2008

Pelo terceiro ano consecutivo a Ovarense Aerosoles é campeã nacional de basquetebol! 

Ovar

No último ano de Liga Profissional, a Final dos Playoff foi disputada entre as equipas que dominaram o basquetebol nacional nos últimos anos: Ovarense Aerosoles e Porto Ferpinta. Mais uma vez a decisão final só chegou na ‘negra’ e esse foi um dos poucos pontos positivos da época profissional.

No último jogo viu-se uma casa a abarrotar, jogo transmitido na televisão pública nacional e apoio vibrante e incondicional vindo das bancadas, com os adeptos vareiros a darem um grande espectáculo! Pena que isto só aconteça na altura das decisões finais das temporadas…Compreende-se que com o constante aumento do custo de vida, pagar 10€ para ver um jogo de basquetebol em Portugal pode não ser muito estimulante e cativante, mas…..

Quanto ao jogo em si, pouco há a dizer já que a Ovarense Aerosoles dominou desde início! A pressão defensiva imposta pelos homens de Ovar condicionou e muito as principais armas do Porto Ferpinta, nomeadamente os seus dois extremos Nuno Marçal (7 pontos, 2 em 15 de lançamentos de campo, e 3 perdas de bola) e Paulo Cunha (1 ponto marcado, apenas 3 lançamentos de campo realizados e ainda 4 perdas de bola). Outra das vantagens da equipa orientada por Manolo Povea foi a pressão que impuseram sobre os bases adversários: enquanto que João Figueiredo jogou durante 35 minutos, os bases vareiros – Cordell Henry, Nuno Manarte e João Abreu – dividiram entre si os 40 minutos de jogo! Isto possibilitou uma maior frescura aos pensadores de jogo da Ovarense Aerosoles, e também uma maior pressão defensiva sobre João Figueiredo. Ofensivamente, o trio norte-americano John Waller, Greg Stempin e Graham Brown foram os mais produtivos no jogo do título.

No final a festa foi para os de Ovar com direito a invasão de campo e festa com os jogadores! Nas comemorações, palavra para o bom comportamento dos jogadores portistas, evitando cenas já vistas noutras ocasiões entre estas equipas! O fair-play evidenciado só ajudou à festa, e só assim faz sentido estar-se no desporto!


À sétima é de vez

Maio 24, 2008

Decide-se hoje quem será o vencedor da última edição da Liga Profissional de Basquetebol em Portugal: de um lado Porto Ferpinta – vice-campeão na última temporada e vencedor da Taça da Liga 2008 – do outro Ovarense Aerosoles – bi-campeã nacional. Tal como na época passada, estas duas equipas voltam a defrontar-se numa Final disputada à melhor de 7 jogos. Tal como na época passada, tudo se irá decidir no último jogo. Tal como no época passada, o último jogo será em Ovar.

OvarenseDe tantos confrontos que já tiveram este ano, de tantas horas de vídeo e estudo do adversário talvez as equipas conheçam melhor o seu adversário do que a si próprias. Os movimentos ofensivos e defensivos, as alternâncias defensivas, as características individuais de cada jogador, tudo isso está estudado e os treinadores trataram de passar a informação para os seus jogadores. 

PortoA Arena  Dolce Vita em Ovar vai estar cheia, os melhores intervenientes da Liga UZO vão estar presentes, e a emoção certamente não quererá estar ausente! Pelas 19 horas já se saberá quem o vencedor desta derradeira edição da Liga UZO! Que ganhe o basquetebol nacional!

P.S. – Quem também vai marcar presença em Ovar será a RTP! Por onde andou o serviço público nesta Final? A promoção do basquetebol continua a caminhar pelas ruas da amargura…


Liga UZO – a Final esperada

Maio 12, 2008

A Liga UZO entrou este fim-de-semana na sua fase decisiva: a Final dos Playoff. E como esperado, Porto Ferpinta e Ovarense Aerosoles repetem a presença do ano anterior e disputam aquele que será a última edição desta competição.

Finalmente, os pavilhões enchem-se para ver jogos da Liga Profissional, e os participantes correspondem às expectativas com dois jogos muito equilibrados em que as decisões chegaram nos últimos segundos, deixando, para já, cada equipa com uma vitória. E neste particular o Porto Ferpinta ganha alguma vantagem uma vez que conseguiu vencer em casa do seu rival.

StempinCabe agora à Ovarense Aerosoles ir a Matosinhos vencer, pelo menos, um jogo para anular a vantagem conquistada pela equipa de Alberto Babo. E se Greg Stempin conseguir manter o nível a que esteve no Jogo 2, é possível que isso aconteça. Também Graham Brown merece destaque pela positiva, pela consistência que tem tido nestes Playoff, mas não pode repetir a exibição do primeiro jogo da Final, pois é ele um dos grandes pilares da equipa de Manuel Povea. O treinador espanhol espera ainda pela recuperação total do base Cordell Henry, ele que foi um dos principais responsáveis pela conquista do último campeonato. O base norte-americano já actuou a titular no último jogo, mas ainda não está a 100%.

MarçalEm Matosinhos, espera-se casa cheia para ajudar o Porto Ferpinta a conquistar o que não conseguiu na época anterior: o título de campeão nacional! Nuno Marçal tem estado em grande forma na fase decisiva da época e tem sido as principal figura da equipa do Porto nestes Playoff, bem complementado pela dupla nacional João Figueiredo e Paulo Cunha, e ainda pelo possante Fred Gentry. O Porto Ferpinta, mais limitado em termos de valores individuais, sente algumas dificuldades quando recorre ao seu oitavo jogador. Talvez por isso o cansaço se venha a revelar inimigo dos dragões, e Alberto Babo tenha alguma ‘pressa’ em resolver o assunto.

A Final segue agora para Matosinhos, onde se irão disputar os próximos dois jogos. O primeiro será na próxima quinta-feira dia 15, pelas 21h. Há a garantia de que as equipas terão de se voltar a defrontar em Ovar, pelo menos mais uma vez.


Quem passa das meias?

Abril 24, 2008

Confirmaram-se as nossas suspeitas! Ovarense Aerosoles e Porto Ferpinta avançaram rapidamente para as Meias-Finais dos Playoff, enquanto que Vagos Lusavouga Dewalt e Casino Figueira Ginásio tiveram de recorrer à negra para se apurarem para a fase seguinte. E a fase seguinte começa já esta quinta-feira dia 24, quando na Arena Dolce Vita se iniciar o jogo entre a equipa vareira e a figueirense, numa reedição da Final de 2005/06.

Ovarense Aerosoles vs Casino Figueira Ginásio

Nuno Manarte

Pela qualidade do seu plantel, os de Ovar são claramente favoritos! Ainda por cima beneficiam do facto de terem sido a única equipa a vencer a sua série sem derrotas e do cansaço acumulado da equipa da Figueira da Foz – numa semana o Casino Figueira Ginásio disputou mais dois jogos que os seus adversários das Meias-Finais. O Ginásio, que teve num desfalcado CAB Madeira um forte opositor, prepara-se para defrontar o Campeão Nacional e espera-se que partam para este jogo com uma atitude bem diferente daquela que tiveram nas Meias-Finais da Taça de Portugal. A Ovarense deverá confirmar o seu favoritismo, e aproveitar o bom momento de forma de alguns dos seus jogadores para avançar para a Final da competição! Se assim acontecer será a quarta época consecutiva que os de Ovar disputam a Final da Liga.

3-0 para Ovarense JC || 3-1 para Ovarense MT

 

Porto Ferpinta vs Vagos Lusavouga Dewalt

Paulo Cunha

O Porto Ferpinta sentiu algumas dificuldades perante o seu adversário dos Quartos-Final, o Belenenses Hyundai Lusifor já que nos quatro jogos que teve de realizar, apenas no último conseguiu vencer por uma vantagem considerável: diferencial de 23 pontos. Nos restantes três jogos venceu o primeiro por 3, perdeu o segundo por 6 e ganhou o terceiro por 1 ponto de diferença. O Vagos Lusavouga Dewalt chega a esta fase após ter vencido em 5 jogos a equipa do Lusitânia Angra Património Mundial, beneficiando do factor casa para derrotar a formação da Ilha Terceira e assim avançar para as Meias-Finais da competição. É de realçar o facto de no seu ano de estreia a equipa de Vagos atingir as Meias-Finais dos Playoff. No entanto, o trajecto desta equipa deve ficar-se por aqui já que se a lógica imperar, o Porto Ferpinta sairá vencedor deste embate e avançará para a Final da Liga UZO.

3-1 para Porto JC || 3-1 para Porto MT


Com papas e bolos…

Abril 17, 2008

«Fustigada pela grave crise económica que afecta o país […] a Liga de Clubes deixou de ter condições para prosseguir na rota do profissionalismo, da qual foi pioneira em Portugal. Foram 13 temporadas a remar contra a maré, num país que continua a preferir o imobilismo e a inércia e que se habituou a viver sob o tecto do Estado Providência. Os principais responsáveis por este marasmo são os próprios clubes, que não souberam criar as condições necessárias para que a competição profissional vingasse, cometendo vários atropelos aos regulamentos e agindo, por vezes, de forma perfeitamente irresponsável, não cumprindo os compromissos assumidos com os principais agentes do espectáculo: jogadores e treinadores.»

Luis Silva, jornalista de ABOLA, numa notícia de hoje

Para esta assertividade jornalistica, ficava melhor pedir uma coluna de opinião ao director do jornal e dissertar à vontade. Como se costuma dizer, com papas e bolos……


Modelos de Playoffs

Abril 16, 2008

Numa altura em que as decisões dos vários campeonatos se aproximam, com a chegada dos playoff, reveste-se de toda a utilidade o debate em torno do melhor modelo para esta fase competitiva.

Há modelos para todos os gostos.

Na Liga Uzo, os quartos de final são disputados à melhor de 5, assim como as meias-finais. Já em relação à final ela é disputada à melhor de 7 partidas. Há jogos durante a semana e não somente ao fim de semana. Na Proliga, o modelo escolhido é diferente. Os quartos de final são disputados à melhor de 3 encontros, enquanto meias finais e final são jogados à melhor de 5 disputas. Um outro aspecto prende-se com o facto de os encontros dos quartos de final serem calendarizados de forma suis generis, com a equipa menos bem classificada a jogar primeiro no seu pavilhão e depois a disputar os outros dois (se necessário) no pavilhão da equipa melhor classificada. As partidas de playoff da Proliga são preferencialmente disputadas ao fim de semana. Na Liga Feminina, os quartos de final são disputados como na Liga Uzo, à melhor de 5, e primeiro em casa dos melhores classificados. A fase seguinte é disputada sob a forma de Final Four. Na Euroliga a Final Four é também a solução defendida para a fase em que só sobram 4 equipas. Mas os quartos de final são disputados à melhor de 2 encontros. Finalmente a NBA. Do principio ao fim, o modelo é o mesmo: eliminatórias disputadas à melhor de 7 partidas, com os dois primeiros jogos e a negra em casa do melhor classificado.

Playoffs

Em todos os modelos há aspectos positivos. Mas é mais fácil realçar os negativos. Por exemplo, a ideia de disputar (como acontece na Proliga) o primeiro jogo em casa do pior classificado não lembra nem ao Diabo, como se diz em português corrente. Aumenta a pressão para a melhor equipa, não beneficia quem esteve melhor na fase regular, e nem o facto de a negra se disputar no pavilhão do favorito dilui o disparate.

As fases finais de competição em Final Four são emotivas mas não tanto como as eliminatórias disputadas à melhor de 5 ou 7 encontros. Há sempre margem de manobra para quem erra, e se erra demasiadas vezes é porque é realmente inferior. Esse modelo defende o espéctaculo e defende as melhores equipas. Não é à toa que é o modelo mais actualizado. A experiência com uma final à melhor de 7 encontros tem bom currículo em Portugal. O ano passado, na Liga Uzo, Ovarense Aerosoles e Porto Ferpinta deram um autêntico espectaculo e contribuiram positivamente para a modalidade.

Para vocês, qual é o melhor modelo?