Esperança açoriana

Março 16, 2010

Segundo notícias avançadas, há esperança para os lados de Angra do Heroísmo e o Lusitânia parece conseguir ver a luz ao fundo do túnel.


Outra vez?

Março 8, 2010

‘A Comissão Executiva do Sport Clube Lusitânia, dos Açores, decidiu suspender a actividade desportiva, uma vez que nos próximos dias será dado seguimento ao processo de insolvência do clube.

A decisão surge como consequência de uma dívida de 3 milhões de euros, sendo que o Lusitânia tem um património avaliado em 1,5 milhões de euros. A recusa de uma entidade bancária em renegociar a dívida e o bloqueio de receitas motivaram esta decisão.

«Por iniciativa dos atletas, as equipas do Lusitânia envolvidas na Liga profissional de basquetebol e na série Açores da III divisão de futebol ainda poderão participar em algum jogo, mas o clube não dispõe de meios para garantir a presença em competição», explicou João Meneses, porta-voz da Comissão Executiva, à agência Lusa.’

Entendendo que por Liga profissional de basquetebol queiram dizer Proliga, eis mais uma machadada no clube da ilha Terceira. Porque voltaram, investindo como investiram em jogadores como Daniel Monteiro, Augusto Sobrinho, Mohamed Camará, Frederico Tavares, Josimar Cardoso, mais os estrangeiros Marcel Monplaisir e Carl Lee? Que acontece a estes jogadores? Tentam manter de pé um projecto que pelos vistos não tem pernas para continuar a andar, ou acabam com o clube e ficam livres para integrar equipas que lhes dêem condições de trabalho?


A História não paga as contas

Julho 24, 2009
Nota Inicial: Neste texto não se pretende apontar se os culpados são os dirigentes de todos estes clubes, se são as autarquias falidas, se são as empresas locais e nacionais com pouca apetência para largarem dinheiro numa altura de ‘vacas magras’, se a culpa é da situação macro-económica mundial que todos afecta ou se é da Federação que vai exigindo valores demasiado elevados para a realidade de alguns clubes (sim, os custos de arbitragem parecem ser excessivamente elevados). A culpa é de todos!

A infeliz tendência continua!

No lançamento de mais uma época desportiva, a FPB deu a conhecer quais os clubes que entregaram a candidatura às principais competições de basquetebol sénior masculino – Liga Portuguesa de Basquetebol e Proliga. E para a época que se avizinha, o basquetebol nacional vê-se privado de mais dois dos seus históricos e principais símbolos!

Assim, e após algumas temporadas de grandes dificuldades e limitações financeiras na constituição das suas equipas, Esgueira e Queluz abandonam uma competição onde têm tido algum destaque – depois de longas épocas na LCB, onde se sagrou campeã nacional, a equipa de Sintra mudou-se para a Proliga, e nas suas duas participações nesta competição garantiu sempre o acesso aos Playoff, sendo que neste ano até chegou às Meias-finais. A equipa de Aveiro marcou presença na fase decisiva da temporada nas últimas 4 épocas, tendo sido por uma vez finalista vencido, e no ano seguinte ficou-se pelas Meias-finais.

Na temporada 2008/09 estas foram duas das equipas mais agradáveis de se seguir, praticando um basquetebol de acordo com a sua história – o Queluz seguindo à risca o seu lema ‘Pela Raça’ tinha na sua defesa agressiva uma das suas principais características! Sem jogadores estrangeiros e com um plantel algo limitado em termos de quantidade e de qualidade, a combativa equipa liderada por André Martins conseguiu suprir as suas dificuldades, fazendo um campeonato de grande qualidade. O Esgueira OLI continuou o que de tão bom tinha feito na temporada anterior, a equipa orientada por Pedro Costa respeitou e seguiu à letra a imagem que o clube criou ao longo da sua história – jogadores combativos com agressividade defensiva, que nunca recuavam nem se encolhiam, independentemente da equipa que defrontassem.

Duas equipas que, à falta de dinheiro para oferecer a atletas, tiveram de apostar em jovens valores, maioritariamente saídos dos escalões de formação de duas das mais carismáticas escolas do basquetebol em Portugal. Curiosamente, Queluz e Esgueira OLI até se defrontaram na primeira ronda dos Playoff da passada temporada. Aí, a equipa de Sintra levou a melhor. Agora, ambas as equipas perderam. O basquetebol português perdeu!

Sem dinheiro para se aventurarem em mais uma temporada, sem repetir apostas arriscadas do passado ambos os clubes abdicaram do seu direito a participar no campeonato que até há pouco tempo era a ‘prova rainha’ da FPB. 

O basquetebol em Portugal continua a perder os seus clubes históricos! A História não paga as contas, e os emblemas que outrora dominavam o basquetebol nacional ou fecharam a porta, ou continuam pelas divisões mais baixas do nosso basquetebol, lutando para sobreviver. A aposta na formação é uma solução, mas tal como mostraram este ano Esgueira e Queluz, não é a aposta na formação que resolve os problemas dos clubes que querem manter equipas seniores nas principais divisões!

Esgueira e Queluz juntam-se assim a históricos como Vasco da Gama, Estrelas da Avenida, Galitos, Imortal de Albufeira, Beira-Mar, Oliveirense, Algés, Belenenses, entre outros. A lista continua, e é provável que no próximo ano mais alguma equipa caia num poço cada vez mais largo – os rumores de equipas ‘à beira do precipício’ não param, e este ano até se esperavam mais algumas desistências.

É certo que a participação na LPB e Proliga está dependente de candidatura apresentada, e não de garantia através de direito desportivo, por isso, talvez o abandono destes clubes não seja um ‘Adeus’, mas por ventura, um ‘Até já’. Claro que para isso, não se poderão cometer os erros do passado.


Cruza e descruza

Junho 21, 2009

Uma das medidas lançadas pela Federação Portuguesa de Basquetebol na organização dos principais campeonatos de seniores masculinos – Liga Portuguesa de Basquetebol e Proliga – foi a criação das Jornadas Cruzadas.

Com o objectivo de dar maior visibilidade aos clubes que competiam na Proliga, as Jornadas Cruzadas rapidamente se tornaram num incómodo para a maioria dos clubes da LPB, já que a maioria dos emblemas da principal competição tinham dificuldade em encontrar motivação para defrontar algumas equipas do segundo escalão. Pelo contrário, as equipas da Proliga ganhavam motivação extra quando defrontavam equipas da LPB – principalmente quando os jogos eram disputados com as equipas da Proliga na condição de visitados – o que permitiu que alguns jogos fossem equilibrados até final, e que provocassem algumas surpresas menos agradáveis para os clubes da principal competição. Além disso, o valor monetário gerado pelo aumento de visibilidade que surgiu com a criação destas jornadas certamente que ficou aquém do valor que os clubes tiveram de despender nos custos inerentes à realização destes jogos: deslocações, arbitragem, polícia, etc.

Ou seja, o propósito com que as Jornadas Cruzadas apareceram no panorama do basquetebol português deixou de ser válido a partir do momento em que as regalias geradas não se revelaram superiores aos custos directos da realização destas jornadas. Portanto, tornava-se claro para os clubes que esta não se tratava de uma estratégia que interessasse manter no futuro!

Com esta decisão as equipas da Proliga voltam a ficar afastadas da competição com os clubes da LPB, restando a Taça de Portugal para possibilitar desafios com as principais equipas nacionais. A Federação Portuguesa de Basquetebol deverá agora procurar outras formas de tentar gerar alguma visibilidade às equipas da competição que ainda há bem pouco tempo era a sua ‘menina dos olhos’. Há dois anos, o factor Sport Lisboa e Benfica chamou grande parte da atenção para a competição, e na época que agora terminou foram as Jornadas Cruzadas a trazer alguma visibilidade a esta competição. E para o ano como será? A competição voltará a ficar longe dos pequenos holofotes que ainda vão dando atenção ao basquetebol português? Ou conseguirá a FPB alguma forma de evitar essa possível falta de atenção?


IC – Illiabum Campeão

Junho 8, 2009

Terminou este fim-de-semana o VI Campeonato da Proliga, e o novo campeão é o Illiabum Clube, juntando-se assim a Sampaense Tecoimbra, Vitória M. Couto Alves, e Física BES Leasing como anteriores vencedores desta competição.

À Final chegaram as duas equipas mais fortes deste campeonato, e que desde o início foram apontados como os grandes favoritos a vencer e a garantir a subida à Liga Portuguesa de Basquetebol – o investimento realizado e a qualidade dos seus principais jogadores deixava estas duas equipas num patamar superior às restantes e isso ficou provado, não só durante a Fase Regular, mas também durante estes Playoff. Se durante a Fase Regular estas duas equipas foram as únicas que terminaram com mais vitórias do que derrotas, durante os Playoff também demonstraram o seu poderio, já que no caminho para a Final o Illiabum não perdeu qualquer jogo, enquanto que o Sampaense Tecoimbra cedeu apenas uma vez, perdendo na Meia-Final contra o Galitos FC Tley.

Na Final, o Illiabum Clube, orientado por Carlos Cabral, tinha a seu favor a vantagem de jogar em casa, fruto do 1º lugar alcançado na Fase Regular. E aproveitou da melhor forma a vantagem de começar a jogar perante o seu público e no primeiro fim-de-semana desta Final ganhou uma importante vantagem na caminhada para o título, vencendo os 2 jogos disputados em Ílhavo, e ficando a apenas uma vitória de alcançar o grande objectivo do título. O Sampaense Tecoimbra, apesar de ter conseguido equilibrar os dois jogos acabou por ficar numa situação bastante complicada, com a agravante de terem ‘perdido’ um dos seus principais jogadores, o homem das decisões que em tantos jogos levou a equipa beirã até à vitória – Kendall Craig foi expulso no Jogo 2 desta Final, após agressão a Pedro Silva. Além de não ter ajudado a sua equipa nos momentos finais do segundo jogo, Craig ficou ainda impedido de dar o seu contributo nos Jogos 3 e 4, em virtude do castigo que lhe foi aplicado.

Adivinhava-se muito difícil a tarefa da equipa comandada por Emanuel Seco, mas apoiados pelo seu público, e sem vontade de entrar de férias logo no Sábado, o Sampaense Tecoimbra não se encolheu face à ausência de Kendall Craig e conseguiu aproveitar a vantagem de jogar em casa e vencer o Jogo 3, reduzindo assim o parcial da Final para 2-1, ainda a favor dos homens de Ílhavo. No entanto, a equipa de S. Paio de Gramaços continuava entre a espada e a parede, já que ao Illiabum bastava uma vitória para poder levantar a Taça.

Liderados pelas excelentes prestações da sua dupla de norte-americanos Nate Daniels e James Robert, e com os fundamentais contributos do seu núcleo de jogadores portugueses de grande qualidade e experiência – Daniel Félix, Francisco Rodrigues, Pedro Silva, Nélson Sousa – o Illiabum Clube contou ainda com o importante contributo do jovem Vasco Estevão para vencer o Jogo 4 por 79-95, garantindo assim a vitória que lhes faltava para se sagrarem os campeões do VI Campeonato da Proliga.

O Illiabum volta assim ao principal campeonato do basquetebol português, e o Sampaense Tecoimbra (depois de ter estado em 5 das 6 Finais da Proliga) estreia-se no convívio entre os grandes, já que como finalistas ambas as equipas garantiram a subida à Liga Portuguesa de Basquetebol.


Bem jogado!

Maio 29, 2009

Parece-me muito bem esta ideia da FPB de promover as finais dos dois principais campeonatos masculinos, Liga Portuguesa de Basquetebol e Proliga.

Num barco ancorado no Rio Tejo, perto do Parque das Nações, tiveram a palavra os porta-vozes das 4 equipas – Benfica, Ovarense Dolce Vita, Illiabum e Sampaense Tecoimbra – que a partir do próximo fim-de-semana irão discutir os títulos dos seus campeonatos. Explicaram os seus pontos de vista, expectativas, ambições. Falaram, apareceram, representaram os seus clubes, representaram o basquetebol. Alguns meios de comunicação social aderiram, passou reportagem nos blocos noticiários da SportTv, promoveram um pouco a modalidade! E isso é algo que tantas e tantas vezes se tem acusado a FPB de não fazer.

Ok, é apenas um pequeno passo! Mas todos terão de concordar que é melhor do que nada! E se no futuro a tendência for para crescer, melhor ainda, e todos saem a ganhar!

E se nos é permitida a sugestão, porque não criar programa de apresentação do próximo campeonato, quando a época estiver para começar, num formato parecido ao da apresentação destas Finais, mas procurando ter maior difusão televisiva?


Proliga

Abril 25, 2009

Terminada a última jornada: Galitos assegura terceiro lugar com resultado estranho, Angra no playoff e Maia desce de divisão.

Galitos 54 Esgueira 34

Angra 84 Sangalhos 65

Illiabum 119 Atlético 66

Barcelos 66 Maia 61

Seixal 75 Sampaense 97

Eléctrico 67 Queluz 65

—————–Playoff 1ªRonda—————–

À melhor de 3, com o primeiro encontro na casa do pior classificado

Illiabum(1)-Angra

Esgueira(4)-Queluz

Sampaense(2)-Eléctrico

Galitos(3)-Sangalhos

Jogos a 2,9 e 10 Maio